As Inconfidências Mineiras: das traições ao desejo local de reconhecimento pela Coroa Portuguesa

Autores

  • Cleidimar Rodrigues de Sousa Lima Professora Assistente do Centro de Filosofia, Letras e Educação - CONFLE, da Universidade Estadual Vale do Acaraú-UVA, Mestre em Gestão Educacional, Doutoranda em História pela UFMG e Advogada OAB/CE

Resumo

Este texto pretende discutir as Inconfidências Mineiras que ocorreram entre 1760 e 1776, na Capitania das Minas Gerais, mais precisamente nas cidades de Curvelo (duas foram registradas), Mariana e Sabará, durante o período de Reformas Pombalinas, em que traição e falta de fidelidade ao Monarca, D.José I, foram considerados crimes que levaram pessoas e instituições a serem questionadas e punidas. Uma característica a ser evidenciada é que nessas Inconfidências a população local não chegou a se levantarou pegar em armas para defender seus interesses, mas buscou conquistar um tipo próprio de reconhecimento pela Metrópole Portuguesa e teve como ideário comum a insatisfação com o processo de expulsão dos jesuítas do Brasil e com a concentração de poderes nas mãos do Marquês de Pombal. Nosso estudo, de caráter teórico bibliográfico, associado à reflexão dialética, terá como sustentação as contribuições de CATÃO (2007), FURTADO (1999A), MONTESQUIEU (2004), VILLALTA (2007) dentre outros autores que analisaram tais Inconfidências e suas repercussões na vida colonial da época.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Como Citar

LIMA, C. R. de S. As Inconfidências Mineiras: das traições ao desejo local de reconhecimento pela Coroa Portuguesa. Revista Historiar, [S. l.], v. 3, n. 5, 2013. Disponível em: //historiar.uvanet.br/index.php/1/article/view/55. Acesso em: 29 fev. 2024.

Edição

Seção

Artigos - Tema Livre